Meditação é a arte de observar.

Estar no momento presente e se tornar uma testemunha.
Observar o corpo e todas as sensações que possam estar presentes, observar as emoções, observar os pensamentos.

Se tornar uma testemunha neutra, sem qualquer julgamento de bom ou ruim, de certo ou errado.
Somente dar um passo para trás e observar, criar uma distância entre você e a mente. Como se observasse a tela de um filme.

E então podemos perceber que os pensamentos não tem vida própria, eles se alimentam da nossa identificação com eles.
Dessa forma, o caminho da meditação é o puro observar. Testemunhar os pensamentos, e desse testemunhar uma distância é criada entre você e eles.

Assim podemos experienciar que não somos a mente. Que existe algo além disso. Existe um espaço de silêncio e consciência além do turbilhão dos pensamentos.
E o testemunhar nos leva cada vez mais para este espaço, de silêncio, consciência, onde o EU se dissolve e nos tornamos um com o Todo.

“Se você medita, cedo ou tarde vai chegar no amor. Se meditar profundamente, cedo ou tarde vai começar a sentir um tremendo amor nascendo em você, que nunca sentiu antes. Uma nova qualidade do seu ser, uma nova porta abrindo. Você se torna uma nova chama e então sente vontade de compartilhar.

E o amor o aceita como você é, ele nada exige de você. Não diz: seja isso, seja aquilo. O amor simplesmente lhe diz: seja você mesmo, você é bom assim como é, você é belo assim como é.”
OSHO